segunda-feira, 27 de abril de 2015

Cadê as Borboletas?

A vida é feita de momentos, sentimentos e emoções. É das coisas pequenas que se constrói uma história. 

Quando somos crianças, principalmente nós mulheres, crescemos ouvindo histórias de amor, felizes para sempre. Em todas as histórias o vilão é sempre a bruxa malvada e invejosa, a madrasta, as irmãs feias...quase sempre uma outra mulher ou um outro homem são os vilões. 

Crescemos acreditando que o príncipe um dia vai aparecer no seu cavalo branco, lindo e vai te salvar das malvadezas do mundo e vocês viverão felizes para sempre. Também tem a história do sapo que vira príncipe, do ogro que é um verdadeiro príncipe e muitas outras versões mas sempre felizes para sempre.

Aí você cresce...conhece alguém..se casa...e? E descobre que te enganaram a vida inteira. Que felizes para sempre não é para sempre. Que príncipe mesmo só como título de nobreza para uns poucos. 

Você descobre que o que faz a vida ter emoção são as borboletas. Quem fala das borboletas? São tão frágeis, umas lindas, outras bem feias. Quem mora na cidade grande quase não vê borboletas. Mas pensa...pare agora um minuto e pense na pessoa mais especial da sua vida...lembre de um momento marcante...lembra do primeiro beijo...lembra do primeiro amor...tente se lembrar do que  dia que conheceu seu amor...pense na prova mais importante que vai fazer...pense naquela decisão que você precisa tomar...pára e pensa.

Esta sentindo? As borboletas saltam na sua barriga, bagunçam seu estômago...sente. Elas parecem gritar que existe emoção, felicidade, paixão, calor, medo. A vida sem as borboletas não tem nenhuma graça.

Agora eu volto no começo de tudo, lá nos vilões das histórias de amor e te digo que não é a bruxa, nem a madrasta ou as irmãs...é a rotina, o casamento. Esses dois juntos, se você não souber domar, eles vão matar uma a uma todas as borboletas da sua vida.

Enquanto vivemos as emoções da vida, as conquistas, enquanto esperamos "Será que ele vem?" as borboletas reinam dentro da gente e fazem a vida ser mais leve. Aí, a gente casa...pronto, acabou o amor, a paixão, foram-se as borboletas.

Depois que a gente casa, não entendo, não sei porque mas acabam-se os abraços apertados, os beijos longos, os apertos na nuca, o olhar de amor, as palavras doces, a conquista...não era pra ser assim...também não é assim com todo mundo...porque?

Porque as pessoas se esquecem que a vida é feita de pequenas coisas. O casamento vem acompanhado de grandes coisas: a casa que esta pequena e precisa de uma maior, o carro que precisa trocar, as contas que aumentam, os filhos que vão nascendo e junto as despesas, o filho mais velho que vai mal na escola, o cartão de crédito que estourou...essas coisas começam a engolir as pequenas como o abraço apertado, o beijo longo, as palavras de carinho...até que...você não sente mais nenhuma borboleta.

Quando você encontrar seu príncipe, tente lembrar de todos os dias reconquistá-lo, fazer com que se apaixone por você a cada bom dia. Mesmo com as contas atrasadas, abrace forte, beije longamente, pegue no pescoço dela e diz olhando no fundo dos olhos: você é linda eu amo você. Convide-a pra dar uma passeio a pé, de mãos dadas, tomar um sorvete como faziam quando eram mais jovens...vá ao cinema com ela, assista um filme de amor, coma pipoca...deixe um bilhete no espelho do banheiro "bom dia meu amor"...são pequenas coisas que quebram a rotina...Faça das pequenas coisas uma rotina...não deixe morrer as borboletas e seja feliz pra sempre!


Nenhum comentário:

Postar um comentário